Museu Carlos Machado

Voltar

Etnografia Regional

Bicicleta

Séc. XIX
Ferro, rodas revestidas a borracha maciça
C 170 x D 132 x D 44 cm
Invº 1300
 

Em Detalhe »

English abstract

The Carlos Machado Museum's bicycle is one of the most beautiful objects of the museum, a true vehicle for our imagination, capable of awakening our curiosity to other times, thinking of its use as a feat of balance, telling us about the leasure and riskiness of this type of locomotion.

It belonged to João Urbano da Silveira Moniz, born in Vila Franca do Campo in 1870, who lived in Ponta Delgada. His achievements at the city's dock wall, while riding this bicycle, were admired by all the spectactors.

Português

A bicicleta do Museu Carlos Machado é uma das peças mais atraentes do Museu, um verdadeiro veículo, para a nossa imaginação, que tem a capacidade de nos despertar a curiosidade e de nos transportar para variadíssimos “mundos” e tempos, levando-nos a pensar que na sua utilização como um ato de equilibrismo, e comunicando-nos o lado lúdico e arriscado deste tipo de locomoção, e as suas caraterísticas circenses.

Pertenceu a João Urbano da Silveira Moniz, que nasceu em Vila Franca do Campo (1870-1930). Segundo contam os seus familiares, o Sr. João Urbano Moniz, que viveu em Ponta Delgada, na Rua do Contador, andava neste veículo naquela rua, mas era no paredão da doca de Ponta Delgada que executava um difícil e arriscado trajeto, sendo admirado por todos os que assistiam à proeza.

Em 1985, esta Bicicleta rodou no filme “Memória do Vale” realizado por José Medeiros e produzido na RTP Açores.

No século XVI, Leonardo da Vinci esboçou o projeto de um velocípede com transmissão por corrente, técnica só concretizada 400 anos depois.

Em 1790, o francês Sivrac realizou um protótipo daquilo que mais tarde seria a bicicleta, contendo já a essência deste veículo: “Duas rodas ligadas entre si, no sentido de marcha; equilíbrio mantido pela roda da frente e locomoção acionada pelo próprio passageiro”. O Celerífero tinha duas rodas de madeira com seis raios unidos por uma viga também de madeira e impulsionava-se com os pés, batendo com eles alternadamente no chão. Em 1818, o alemão Karl Drais inventou a Drasiana, um veículo com a roda dianteira direcionável, mas ainda sem pedais. Em 1861, os irmãos Pierre e Ernest Michaux inventaram os pedais e realizaram os primeiros velocípedes comerciáveis. Em Inglaterra, em 1870, James Starley e William Hillman patentearam a Ariel (Grand-Bi), uma bicicleta com a roda da frente consideravelmente maior do que a traseira. Para promoverem a sua invenção, realizaram a seguinte performance: num mesmo dia percorreram 153km, entre Londres e Conventry, na Ariel, atraindo a atenção da imprensa. Este veículo foi um grande sucesso. Durante algumas décadas, a Ariel foi a bicicleta mais comum, tendo sido copiada por vários construtores. (O modelo doado ao Museu corresponde ao desenho de uma Ariel). Só em 1888 o irlandês John Dunlop patenteou o primeiro pneu.

Hoje há uma série de diferentes bicicletas adaptadas aos mais diversos ambientes: bicicletas de montanha, de corrida, de passeio, as desdobráveis, as infantis, etc.

 A bicicleta é uma das maiores invenções no domínio dos transportes, pois permite ao Homem quadruplicar a sua normal velocidade de deslocação com o mesmo esforço que despende na marcha a pé.

Atualmente, a bicicleta constitui, em muitos locais, incluindo grandes cidades, uma importância alternativa ao automóvel, pois, além de não ser poluente, permite o exercício físico. Exemplos paradigmáticos da utilização deste democrático meio de transporte, nos dias de hoje, são os habitantes das cidades de Xangai e de Amesterdão.

Em S. Miguel, a bicicleta já teve momentos mais áureos. Atualmente reaparece o desejo de muitos cidadãos a poderem utilizar, mas a sua condução na via pública é bastante perigosa, não existindo vias próprias com extensão significativa, nem grande respeito dos automobilistas pelos ciclistas.

[MEA]

Governo dos Açores, Presidência do Governo, Direcção Regional da Cultura Direcção Regional da Cultura Museu Carlos Machado
MUSEU CARLOS MACHADO
Núcleo de Santa Bárbara
9500-105 Ponta Delgada
Tel. 296 20 29 30/31
Fax. 296 20 29 39
Email: museu.cmachado.info@azores.gov.pt
Símbolo de Acessibilidade na Web [D]

SÍTIO WEB OPTIMIZADO PARA:
800x600 e 1024x768
Internet Explorer 6.0 ou superior
Firefox 2.0 ou superior