Museu Carlos Machado

Voltar

Arte

Gerâneos e Malva Rosa

Carlos Reis (1863-1940)
1912
Óleo sobre tela
A 130 x L 165 cm
MCM5004

Em Detalhe »

English abstract

Carlos Reis was born in Torres Novas in 1863 and died in Coimbra, in 1940. He was one of the figures of the second generation of Portuguese Naturalists, with a preference for environments on the outside, with big light and shadow contrasts, showing late influence from Barbizon, where French Naturalists would gather.

Such contrasts are visible in this work, "Geraniums and hollyhock" from 1912, where a proeminent female figure is shown on a colorful setting. Light and color refer to movement, with broader strokes remembering impressionist takes on representing nature. It was one of the very first paintings to be included in the Museum's art section.

Português

Carlos António Rodrigues dos Reis nasceu em Torres Novas, em 1863, e morreu em Coimbra, em 1940. Foi um dos representantes, da segunda geração de naturalistas portugueses, reflectindo a sua pintura o gosto por ambientes de ar livre, com grande contraste de luz e sombra, com influência tardia de Barbizon, local perto de Fontainebleau, centro de acolhimento dos pintores naturalistas em França. Diogo de Macedo refere-se à sua obra, no ano da sua morte, na Revista Ocidente, registando que "se adorava o sol das feiras, dos temas populares e da paisagem sem esfumatos, igualmente usava dos mesmos princípios de viris contrastes, nas cenas líricas, religiosas ou íntimas dos seus quadros, jogando com perícia de mestre as simultâneas expressões do claro-escuro, da sombra e da luz, dos brancos vivos e das doçuras de tom nos planos secundários"1.

Tal cromatismo é evidente na pintura Gerâneos e Malva - Rosa, executada em 1912, onde se destaca a figura feminina e se evidenciam os contrastes das cores. A influência do Impressionismo, como modelo artístico de captação da natureza com contornos imprecisos, afastados da rigidez das pinturas efectuadas em "ateliers", com opção por uma pincelada mais solta em ar livre, manifesta-se nesta obra , sendo evidente o efeito da luz e do movimento, principalmente na figura da mulher. Esta pintura foi uma das primeiras obras integradas na Colecção de Arte do Museu Carlos Machado, adquirida na 2ª Exposição de Belas Artes, inaugurada no dia 17 de Maio de 1914, no Paço do Barão de Fonta Bela, em Ponta Delgada2 .

O perfil desta exposição definiu-se por um gosto tardo naturalista. Carlos Reis exerceu, a partir de 1897, o cargo de professor de pintura de Paisagem na Escola de Belas-Artes de Lisboa. Fundou o grupo "Ar Livre", em 1910, posteriormente denominado "Sociedade de Silva Porto", e foi director do Museu Nacional de Belas-Artes (Janelas Verdes, Lisboa) e do Museu Nacional de Arte Contemporânea (Museu do Chiado), quando da sua fundação, em 1911. Em Torres Novas, em 1942, foi atribuído o nome de Carlos Reis ao Museu Municipal desta localidade.

[MTO]

1 Diogo de Macedo - Carlos Reis, in: Ocidente, Revista Portuguesa Mensal, Outubro, Vol. XI, n.º 30, 1940, p.131.

2 Luís Bernardo Leite de Athaíde - 2ª Exposição de Belas Artes inaugurada no dia 17 de Maio de 1914, nas Salas do Ex.mo Senhor Barão de Fonte Bela, in: Etnografia, Arte e Vida Antiga dos Açores, vol. II, Biblioteca Geral da Universidade, Coimbra, 1974, p. 436.

Governo dos Açores, Presidência do Governo, Direcção Regional da Cultura Direcção Regional da Cultura Museu Carlos Machado
MUSEU CARLOS MACHADO
Núcleo de Santa Bárbara
9500-105 Ponta Delgada
Tel. 296 20 29 30/31
Fax. 296 20 29 39
Email: museu.cmachado.info@azores.gov.pt
Símbolo de Acessibilidade na Web [D]

SÍTIO WEB OPTIMIZADO PARA:
800x600 e 1024x768
Internet Explorer 6.0 ou superior
Firefox 2.0 ou superior