Pelágica

Exposição

Núcleo de Santo André
16.07 - 15.10

“A exposição pelágica introduz-nos organismos e ambientes nunca antes observados, e é nesta esfera que o projeto adquire espaço para a especulação sobre o invisível submerso como lugar de potencial cooperação ecossitémica (com o ser humano e a tecnologia) propondo relações matriciais com possíveis evoluções filogenéticas passadas ou futuras”. _  Ana Cristina Cachola


ESPERANÇA SÍSMICA
O extractivismo, na sua prática excessiva, apresenta-se como problema maior do contemporâneo, tema do cultural e “metáfora conceptual” para a cultura; ou seja, uma metáfora que, segundo Mieke Bal, produz conhecimento de modo complexo, analítico e crítico. A omnipresença do extractivismo predatório a um nível transglobal tem tornado este fenómeno alvo de uma atenção social, política, teórica e artística crescente, na sua relação com o antropoceno, o ocidentaloceno, o capitaloceno, os seus paradoxos, denúncias e possibilidades de resolução. Ao mesmo tempo, o extractivismo tem vindo a acumular uma carga conceptual que permite alargar a reflexão sobre a aceleração, as novas formas de devastação ambiental, desigualdades e modos de exploração. Neste sentido, a obra de Mané Pacheco desenvolve-se como uma espécie de telescópio de observação extracionária, obrigando a ver os lugares críticos (e muitas vezes invisíveis) do presente, entre um optimismo visual e a (des)crença apocalítica. O trabalho da artista desenvolve-se numa prática interdisciplinar em que articula reflexões sobre o modo como a espécie humana se organiza e estabelece relações (de poder), abordando estas questões do ponto de vista biológico, social e fisiológico, numa mancha artística que se expande através do desenho, escultura, instalação, vídeo, fotografia e performance. Em Pelágica, apresenta uma instalação pontuada por objectos inefáveis em que o artificial imagina o natural, e vice-versa. Este conjunto interpela o espectador e a sua capacidade de reaprender a olhar, ver e observar. A sua pesquisa parte da recente classificação do arquipélago dos Açores como um Hope Spot: área crítica para a conservação dos oceanos (e da vida na terra), resultante da sua única e excepcional biodiversidade marinha. As condições geográficas e demográficas dos Açores, geralmente apresentadas enquanto ‘obstáculos’, tornam-se agora uma vantagem evolutiva, evidenciando este lugar como único para a preservação e conhecimento das dinâmicas entre seres vivos. A exposição é, assim, atravessada por uma espécie de esperança sísmica: esperar o melhor, sabendo que qualquer movimento brusco o impedirá. A exploração pelágica introduz-nos organismos e ambientes nunca antes observados, e é nesta esfera que o projeto adquire espaço para a especulação sobre o invisível submerso como lugar de potencial cooperação ecossistémica (com o ser humano e a tecnologia), propondo relações matriciais com possíveis evoluções filogenéticas passadas ou futuras. Em Pelágica, presume-se que estas relações (positivas) são uma forma de (bio)inteligência coletiva. Mané Pacheco impede a extracção, mostrando a natureza que lhe pré-existe e oferecendo esperança numa fórmula profilática que serve de barreira à destruição. A sua resistência amplia as possibilidades cromáticas de uma ecologia, muitas vezes, restrita a verdes e azuis. Afinal, o fazer ecológico deve ser tão diverso quanto o mundo, mesmo o mundo submerso.

Ana Cristina Cachola / Julho 2021

Informações

Outras Exposições

foto do item

As Pegadas São Pontes

André Almeida e Sousa é natural de São Miguel mas reside em Lisboa, onde vive e trabalha. João Silvério sobre André Almeida e Sousa refere que “tem desenvolvido o seu trabalho construindo pinturas, desenhos e objetos sob formas, composições e relações muito diversas”. Diz, ainda, que “os desenhos, em painéis modulares de apreciável dimensão e detalhe, ou em folhas de formato médio, transitam entre a transparência de planos e uma densidade sedimentada e profunda” revelada através de uma expressão introspetiva e codificada existente numa questão permanente que o artista coloca a si mesmo”.

foto do item

Domingos Rebêlo

A exposição é um tributo ao pintor Domingos Rebêlo enquanto figura central do panorama artístico açoriano do século XX. A exposição apresenta peças das diferentes fases da evolução da criação do pintor ao longo de quatro décadas, não só a produção de cunho regionalista mas, também, a caricatura, as artes gráficas, a ilustração e a cenografia.

 

foto do item

Canto da Maya

A exposição de longa duração apresenta a vida e a produção artística de um dos maiores vultos da escultura açoriana e nacional da primeira metade do século XX. Dividida em núcleos temáticos que expõem a sua génese, formação, consagração internacional, bem como, o seu papel na criação de obras monumentais.

 

foto do item

Circuito de Arte Sacra

O circuito de Arte Sacra centra-se na antiga Igreja do Colégio, onde a exuberante fachada, a resplandecência do retábulo do altar-mor, bem como, a coleção de azulejos setecentistas assumem-se como um todo, num monumento ímpar de criação barroca. A este integra-se uma galeria com uma coleção diversificada onde se destacam peças quinhentistas, bem como, um valioso espólio de exemplares de temática religiosa.

foto do item

Circuito Memória do Convento

O circuito apresenta as características arquitetónicas dos edifícios conventuais de outros tempos, a diversidade de espaços, as suas dinâmicas e funções, bem como, explora o modo de vida das Clarissas pertencentes ao ramo feminino da Ordem dos Frades Menores, fundada por São Francisco de Assis.

foto do item

Circuito de História Natural

O Circuito História Natural apresenta uma coleção de base naturalista que foi o alicerce para a fundação do Museu. O circuito distribuído por oito salas expõe a diversidade, o exótico e o saber, onde são abordadas diferentes áreas do conhecimento científico, com destaque para zoologia, geologia, mineralogia, botânica.

 

foto do item

Santos da Casa Fazem Milagres

O que fazem os Guardiães da memória quando os crentes regressam a casa? O que escutam quando o silêncio regressa? O que veem quando a luz se apaga e os Santos observam do altar? O que fazem os guardiães da memória quando as portas se fecham, as janelas de cobrem, as chaves rodam em fechaduras por onde as crianças espreitam? O que fazem os Guardiães da memória quando as preces e pedidos precisam (também eles) de encontrar quem os escute e os atenda? O que fazem todos aqueles que zelam por estátuas de madeira, por bancos feitos à medida, por estuques e cortinas de veludo?