Património Cultural Imaterial

Por Património Cultural Imaterial (PCI) entende-se “as manifestações culturais expressas em práticas, representações, conhecimentos e aptidões, de caráter tradicional, independentemente da sua origem popular ou erudita, que as comunidades, os grupos e os indivíduos reconheçam como fazendo parte integrante do seu património cultural, e que, sendo transmitidas de geração em geração, são constantemente recriadas pelas comunidades e grupos [...], incutindo-lhes um sentimento de identidade coletiva.” (Decreto-Lei n.º 149/2015, de 4 de Agosto, Artigo 1.º)

Trabalhar o PCI na ilha de São Miguel é um desafio que se impõe a uma instituição com a função do Museu Carlos Machado (MCM). Atuando a equipa do PCI do MCM, como elemento impulsionador de uma maior proximidade do museu à ilha, procurando a sinalização e salvaguarda dos aspetos ligados às vivências e memórias das pessoas, grupos e comunidades, promovendo este exercício o enriquecimento e valorização de todos os envolvidos.

A Romaria de Nossa Senhora do Rosário - Lagoa, Ilha de São Miguel

Esta manifestação religiosa é praticada por grupos de “Romeiros” que existem em quase todas as paróquias/freguesias da Ilha de São Miguel. Estes grupos são constituídos tradicionalmente por elementos do género masculino: adultos, jovens e crianças, católicos, naturais e/ou residentes na paróquia/freguesia. No entanto, podem integrar o grupo, elementos naturais e/ou residentes noutros lugares.

O grupo registado (2009 e 2015) refere-se aos “Romeiros” de Nossa Senhora do Rosário – concelho de Lagoa. Este rancho de “Romeiros”, assim como acontece com outros grupos, variam anualmente o número de “irmãos”. Em 2009, o grupo era formado por 45 “irmãos”,  em 2015, por 40 “irmãos”.

[Visitar]

Cantar às Almas - Achadinha, Ilha de São Miguel

O ritual Cantar às Almas é praticado por um grupo de habitantes da Achadinha, constituído por homens e mulheres de várias idades, coordenado pela Mestre Alice Pacheco Tavares. O Cantar às Almas na Achadinha realiza-se anualmente, durante o mês de novembro, todas as segundas, quartas e sextas-feiras. O ritual inicia-se no dia 2 de novembro, Dia de Fiéis Defuntos.

[Visitar]

Construção de Muros de Pedra Vulcânica - Ilha de São Miguel

Existem vários grupos do ramo da construção civil que realizam a construção de muros de pedra seca na ilha de São Miguel, designados também de cabouqueiros. O caso registado refere-se a um grupo de homens e rapazes de Rabo de Peixe, município de Ribeira Grande, o empreiteiro responsável chama-se Marco Flor, cujo pai também foi construtor de muros de pedra seca.

[Visitar]

Decoração de Chavelha e de Carros de Bois nas Festas do Espírito Santo - Sete Cidades, Ilha de São Miguel

As festas do Espírito Santo, comemoradas em todas as ilhas dos Açores, são também organizadas e vividas pelos habitantes das Sete Cidades, assim como pelos visitantes e forasteiros que se deslocam a esta freguesia para celebrar estas festividades.

 A organização da festa fica a cargo do mordomo do Império e de um grupo de irmãos/sócios que apoiam em vários momentos o mordomo. Contudo, a decoração das chavelhas e carros de bois, para os cortejos festivos das festas do Espírito Santo, é da responsabilidade de algumas famílias, nomeadamente a família Costa das Sete Cidades.

[Visitar]

Festa da Lenha: Impérios do Espírito Santo - Sete Cidades, Ilha de São Miguel

A Festa da Lenha – Impérios do Espírito Santo é celebrada na comunidade de Sete Cidades.
Esta festa é assegurada pelo Mordomo do respetivo Império do Espírito Santo, com o auxílio dos seus sócios, familiares e amigos. Nela participam os homens e os rapazes, e as colaboradoras mulheres e raparigas da freguesia de Sete Cidades. São os homens e os rapazes que vão para o mato e são responsáveis por todo o trabalho de apanha, corte e armazenamento de toda a lenha recolhida neste dia de festa. Enquanto que, as mulheres e as raparigas, ficam em casa do respetivo Mordomo a preparar as refeições que serão disponibilizadas a todas as pessoas que participam nesta festa.

[Visitar]

Produção Artesanal de Chá Preto na Seara - Sete Cidades, Ilha de São Miguel

A Produção Artesanal de Chá Preto na Seara é atualmente realizada por um pequeno grupo familiar composto pela caseira da propriedade Judite da Silva Pavão (81 anos), pelo seu filho João Alves (50 anos) e pela sua nora Anália Alves (44 anos).

[Visitar]

Produção Artesanal de Queijo Fresco de Cabra - Sete Cidades, Ilha de São Miguel

A produção Artesanal de Queijo Fresco de Cabra é feita por várias mulheres com idades compreendidas entre os 50 e os 75 anos de idade, ajudadas pelos homens que tratam dos animais e fazem a ordenha.

[Visitar]

Produção de Telha Regional, Tijolos e Sertãs - Ribeira Seca, Ilha de São Miguel

A produção de telha regional, tijolos e sertãs, é praticada pelos funcionários da fábrica de José Tavares Vieira, localizada na freguesia da Ribeira Seca, concelho da Ribeira Grande.

[Visitar]

Produção Artesanal em Espadana - Arrifes, Ilha de São Miguel

Nos Açores usa-se as folhas da espadana como amarradeira e também como matéria-prima na produção de diversos artefactos.

Na ilha de São Miguel há várias pessoas, principalmente da geração mais idosa, que sabem e fabricam artefactos em espadana.

A Equipa do Património Cultural Imaterial (PCI) do Museu Carlos Machado sinalizou o artesão Bento Silva como exemplo de prática desta manifestação. Bento Silva dedica-se à produção artesanal de vários trabalhos em espadana, nomeadamente capachos, flores, chapéus, cordas, entre outros artefactos.

[Visitar]

Tapetes de Folha de Milho - Santa Bárbara, Ilha de São Miguel

Maria dos Anjos e outras senhoras, no meio rural e um pouco por toda a ilha de São Miguel, na faixa etária dos 60, 70 e 80 anos. A senhora Maria dos Anjos cultiva milho para fazer pão, guarda as folhas para fazer os capachos como aprendeu na sua juventude, realiza-os conforme vai precisando e consoante a disponibilidade de folha de milho, a matéria-prima.

Antes os capachos eram produzidos uma a duas vezes por ano. Os tapetes novos ficavam guardados para ocasiões festivas e os mais velhos eram utilizados quotidianamente nas habitações.

[Visitar]

Vídeo da sinalização da Romaria de Nossa Senhora do Rosário (Lagoa, São Miguel)

Este culto de peregrinação, segundo alguns autores, tem a sua origem nas fortes crises sísmicas que atingiram a ilha de São Miguel no passado – O padre Ernesto Ferreira refere “Entre 1522 e 1586 vieram, pois, outros castigos que afligiram duramente toda a população micaelense e que originaram as Romarias que ainda atualmente se fazem. Deveram ser as violentas erupções de 1563.” (Ferreira, 1959)

[Visitar]

Vídeo da sinalizações da construção dos muros de pedra vulcânica na ilha de São Miguel

Atualmente, nesta ilha há vários grupos de homens e rapazes ligados a pequenas e médias empresas de construção civil, que dominam este saber e realizam este tipo de construção. Os grupos mais afamados são os cabouqueiros da freguesia de Rabo de Peixe, provavelmente porque aí nunca se deixou a prática e o saber construir muros de pedra.

#MuseuEmSuaCasa #FicaEmCasa

[Visitar]

Vídeo da sinalização da "Festa da Lenha"

Este é um evento festivo que ocorre em cada um dos três Impérios do Espírito Santo, respetivamente Império da Santíssima Trindade, Império de São João e Império de São Pedro. Este ritual festivo popular realiza-se exclusivamente na comunidades de Sete Cidades e que envolve a participação ativa de quase toda a comunidade. É necessário apanhar, cortar e rachar muita quantidade de lenha para ser utilizada na preparação e confeção das várias refeições comunitárias que se vão realizar, bem como para o aquecimento da água utilizada na lavagem da loiça usada ao longo dos vários dias da mordomia.

 

[Visitar]

Vídeo da sinalização da produção de telha regional, tijolos e sertãs

Mostramos a produção de telha regional, tijolos e sertãs, que decorre na fábrica de José Tavares Vieira, dotada de um forno de grandes dimensões, espaço de armazenamento do barro, secadores, zona de produção mecanizada e armazéns.

[Visitar]

Vídeo da sinalização da Produção Artesanal em Espadana

Trazemos a Produção Artesanal em Espadana - Arrifes, Ilha de São Miguel. Nos Açores usam-se as folhas da espadana como amarradeira e também como matéria-prima na produção de diversos artefactos. Na ilha de São Miguel há várias pessoas, principalmente da geração mais idosa, que sabem e fabricam artefactos em espadana.

[Visitar]

Vídeo da sinalização da Produção Artesanal em Espadana

Trazemos a Produção Artesanal em Espadana - Arrifes, Ilha de São Miguel. Nos Açores usam-se as folhas da espadana como amarradeira e também como matéria-prima na produção de diversos artefactos. Na ilha de São Miguel há várias pessoas, principalmente da geração mais idosa, que sabem e fabricam artefactos em espadana.

[Visitar]

Vídeo da sinalização da cultura do chá

Destacamos a cultura e produção do chá. Segundo Gabriel D’Almeida (1892), a planta do chá foi introduzida na ilha de São Miguel cerca de 1833, consequência da “crise da laranja” e foi a Sociedade Promotora de Agricultura Micaelense que, em 1874, deu início aos ensaios relativos à preparação da sua cultura.

[Visitar]

Vídeo da sinalização da Produção Artesanal de Queijo Fresco de Cabra

Ddestacamos a Produção Artesanal de Queijo Fresco de Cabra - Sete Cidades, Ilha de São Miguel. Esta manifestação ocorre diariamente durante o período em que há leite de cabra, ou seja, quando as cabras têm as suas crias. Estes animais pertencem à espécie Capra aegagrus ou Capra hircus. As crias — popularmente chamadas de cabritos — nascem após uma gestação de cerca de 150 dias. Logo pela manhã ordenham-se as cabras, porque para fazer o queijo fresco o leite deve ser utilizado logo que é tirado da cabra, pois é aí que apresenta a temperatura ideal. Em seguida, há que colocar o leite ainda morno a coalhar. A cada quantidade de leite adiciona-se a respetiva quantidade de coalho.

[Visitar]

Vídeo da sinalização decoração da tradicional "Chavelha"

Trazemos a decoração da tradicional "Chavelha" e de carro de bois para as festas do Espírito Santo e que representa, de um modo simbólico, a relevância atribuída a esta entidade divina.

[Visitar]